Cabazes da Dona Horta chegaram às Caldas da Rainha

0
1414

Desde Maio de 2011 que a Dona Horta tem vindo a conquistar dezenas de clientes em Alcobaça e Leiria, com entregas semanais de cabazes compostos por hortícolas, fruta e ervas aromáticas. Um projecto que chegou agora às Caldas da Rainha, onde os cabazes são entregues todas as quintas-feiras.
Pensada por Celeste Soares, a Dona Horta nasceu com o objectivo de ajudar os produtores da zona do Bárrio, concelho de Alcobaça, que não conseguiam escoar os seus produtos. “Víamos os produtos estrangeiros serem vendidos aos montes e os nossos ficavam nas terras, apesar de serem muito melhores”, explica a mentora desta iniciativa. E incapaz de entrar na cadeia de distribuição, a produtora decidiu levar os produtos directamente aos clientes.
O sistema é simples. Os clientes registam-se online, em www.donahorta.com, seleccionam o local de entrega e passam a receber por mail a informação do cabaz de cada semana. Depois é só confirmar a encomenda, que não tem obrigatoriamente que ser feita todas as semanas.
Há duas opções: o cabaz médio, pensado para uma ou duas pessoas e que custa 7,50 euros, ou o cabaz grande, para um agregado familiar até quatro pessoas, com um custo de dez euros. E porque os gostos diferem de pessoas para pessoa, há sempre a possibilidade de trocar os produtos de que não se gosta. Ao cabaz podem ainda ser acrescentados produtos extra, pagos à parte.
Joana Soares, que se juntou à mãe neste projecto, explica que “o cabaz está pensado para fazer sopa, saladas e refeições durante uma semana”. E garante a qualidade de todos os produtos: “tudo o que vai no cabaz é directamente do produtor, nós não trabalhamos com intermediários, e o que houver de boa qualidade é o que vai nos cabazes”. Por isso, “o sabor é completamente diferente daquele que têm os produtos à venda nas grandes superfícies”.
A frescura está também garantida, uma vez que os produtos hortícolas de cada cabaz são apanhados da terra no próprio dia da entrega. Já a fruta é retirada do frio com o devido controlo técnico. Características que permitem à Dona Horta estar a tratar da papelada para obter o selo de qualidade para os seus produtos. “Embora já façamos tudo o que é preciso para levar o selo, o próprio selo em si tem custos e nós não queremos imputar esses custos aos nossos consumidores. Mas vamos tentar porque é uma garantia de segurança para o nosso cliente”, explica Joana Soares.
Mas há mais vantagens nos cabazes Dona Horta além da frescura e qualidade dos produtos. “Sai mais barato que comprar no supermercado, mesmo relativamente aos produtos vendidos a granel”, afiançam as responsáveis. Além disso são produtos portugueses, cultivados na região.
A possibilidade de ajudar os produtores locais foi um dos objectivos já conseguidos deste projecto. “Isto não se destina só a vender as coisas, mas também a ajudar quem precisa. Havia alguns produtores que já mal tinham que comer”, conta Celeste Soares, acrescentando que a Dona Horta permitiu ainda manter os dois postos de trabalho que estavam em risco com a dificuldade de escoar produtos e criar um outro.
Joana Soares garante que o seu projecto não quer tirar clientes a ninguém, nem afectar os mercados que se realizam já nas cidades onde fazem entregas. “O que queremos é evitar que na região se consumam produtos estrangeiros porque não é necessário”. É nesse sentido que a Dona Horta tem envidado esforços para que os produtores comecem também a dedicar-se a produtos diferentes, que embora tenham apreciadores não são habitualmente cultivados em Portugal.
Nas Caldas da Rainha os cabazes são entregues entre as 17h30 e as 18h15 de quinta-feira no parque de estacionamento junto ao edifício da Comunidade Intermunicipal do Oeste, na Avenida General Pedro Cardoso. Em Alcobaça a entrega realiza-se às sextas-feiras, entre as 17h00 e as 18h30, junto à Cooperativa Agrícola. Já em Leiria a Dona Horta faz duas entregas semanais, às terças e quintas-feiras, das 17h30 às 18h15. É ainda possível levantar o cabaz nas instalações da Dona Horta, no Bárrio, entre as 17h00 e as 18h30.

Joana Fialho
jfialho@gazetadascaldas.pt