Trezentos idosos viajaram em comboio especial da Caldas da Rainha à Figueira de Foz

-> Publicado a 3 de Setembro de 2010 . Na categoria: Painel Sociedade . Seja o primeiro a comentar este artigo.
Reduzir tamanho de letra Aumentar tamanho de letra Impressão optimizada do artigo Enviar por email

Trezentos idosos viajaram no passado dia 26 de Agosto, no comboio especial alugado pela Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo para um passeio das Caldas da Rainha à Figueira da Foz.
A 15ª edição do passeio social da terceira idade desta junta de freguesia caldense foi especial, cumprindo-se uma antiga promessa do presidente, Vasco Oliveira.
“Há algum tempo que tínhamos esta ideia de fazer uma viagem de comboio, até porque tínhamos alguns pedidos nesse sentido, e eu fiz essa promessa”, referiu o autarca. Até agora o meio de transporte utilizado era o autocarro, o que trazia alguns incómodos.
Para Vasco Oliveira, este passeio é também um grito de alerta para as administrações da Refer e da CP “para que olhem para a Linha do Oeste, que tem todas as potencialidades de ser rentável com o turismo que existe nesta região”.
Bastou ver a quantidade de pessoas que foram encontrando em algumas estações  ao longo da linha para perceberem que há esse potencial, disse o autarca. “É preciso é que se dem as condições necessárias e que seja feita a requalificação da linha e das carruagens”, defende.
Vasco Oliveira considera também essencial a duplicação da linha para evitar as paragens em algumas estações. “Se houver linhas duplas e electrificadas de Lisboa até à Figueira, tenho a certeza que a Linha do Oeste será rentável”, considera.
Segundo o presidente da Junta, havia idosos que nunca tinham andado de comboio e outros que já não viajavam na Linha do Oeste há dezenas de anos.
Com idades entre os 60 e os 91 anos, os participantes puderam apreciar o passeio de uma forma “mais cómoda e rápida”. Para o autarca, não há dúvida que é muito mais agradável viajar de comboio do que de autocarro. “É menos cansativo e isso sente-se ao final do dia. Podemos fazer outras coisas durante a viagem e é mais rápido do que o autocarro”, salientou.
Desta vez o médico que acompanhou a viagem nem sequer teve que acorrer a nenhuma mal disposição, como costuma acontecer quando vão de autocarro. “Foi o primeiro ano que não houve nada. Costuma haver sempre enjoos e algumas dificuldades quando as pessoas desciam dos autocarros e torciam um pé”, comentou Vasco Oliveira.
A viagem ficou um pouco mais cara de comboio do que de autocarro. Foram pagos à CP 3.750 euros pela viagem de 300 pessoas das Caldas à Figueira da Foz, num comboio reservado para o efeito. A conta é paga na totalidade pela Junta e os idosos não têm de pagar nada, limitando-se a levar almoço para o piquenique.
O presidente da Junta elogiou as condições do parque de lazer da freguesia de S. Pedro – Cova Gala, lamentando que nas Caldas não exista um espaço daqueles para receber os visitantes. “É um lugar muito agradável com muitas árvores, mesas, cadeiras, casas de banho e um bar”, referiu.
Só tem pena que não possa receber os turistas da mesma forma que o seu colega da Figueira da Foz o recebeu.
Caldas da Rainha é, aliás, um lugar de paragem de muitas excursões de idosos. Vasco Oliveira, autarca há 25 anos e dirigente da ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias), é contactado por muitos colegas que lhe pedem ajuda nas suas visitas às Caldas.
Por ano, devem passar pela cidade dezenas de milhares de idosos em excursões vindas de todo o país e o único parque de merendas existente na cidade é no Parque D. Carlos I, com poucos lugares.
Vasco Oliveira deixa em aberto a possibilidade de repetir o passeio de comboio para outras paragens, como Lisboa ou Setúbal. O autarca está também disponível para realizar uma viagem de comboio em conjunto com a freguesia de Santo Onofre. O que acaba por ser simbólico, porque é a Linha do Oeste que divide fisicamente as duas freguesias.

Pedro Antunes
pantunes@gazetacaldas.com

Arlete Nunes, 61 anos

Aos 61 anos, Arlete Nunes e o seu marido têm participado em vários passeios da Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo.
A ex-operária fabril, que está aposentada, gosta de todos os passeios e acha que este não foi melhor por ser de comboio. “Foi muito bom, mas costumo andar de comboio. Às vezes vou a São Martinho com a minha neta, à praia”, contou.

Dina Vitória, 75 anos

A antiga costureira Dina Vitória não andava de comboio há 50 anos e depois de ter feito esta viagem quer repetir a experiência mais vezes.
Com 75 anos, tem andado sempre de carro e de autocarro. O seu marido é que costuma ir aos passeios da Junta, mas quando soube que este seria de comboio Dina Vitória também quis participar.
“Peço muita saúde para o Vasco e que ele fique na Junta, porque é excepcional”, fez questão em dizer.

Manuel e Maria Vitória Sousa, 59 e 69 anos

Casados há 40 anos, Manuel e Maria Vitória Sousa costumam participar nas excursões promovidas pela Junta de Nossa Senhora do Pópulo e acharam mais confortável viajar de comboio.
No entanto, o fotógrafo reformado, de 69 anos, e a sua mulher, de 59 anos, acham que quando vão de autocarro as pessoas juntam-se mais e há um melhor convívio entre todos.
Manuel Sousa prefere fazer estes passeios de autocarro, mas a sua mulher acha indiferente o meio de transporte porque o que interessa é o dia ser agradável.

Arnaldo e Ana Jesus, 63 e 72 anos

“Podem fazer mais passeios de comboio”, disse Arnaldo Jesus , casado há 38 anos com Ana Jesus. Na opinião deste técnico de electrónica (em pré-reforma), nas carruagens as pessoas andam mais à vontade e conseguem falar umas com as outras, ao contrário do que acontece nos autocarros. “No comboio podemos andar de um lado para outro e no autocarro vamos todos muito acanhados”, contou.
A sua mulher, reformada de uma fábrica, participou pela primeira vez num passeio e gostou muito de todo o dia, principalmente do sítio onde almoçaram na Figueira da Foz.

Maria Leonor Rebelo, 73 anos

Maria Leonor Rebelo gostou muito de fazer esta viagem. Pela segunda vez a participar nos passeios da Junta de Freguesia, a ex-emigrante no Canadá chegou muito satisfeita às Caldas da Rainha. “De autocarro e de carro andamos nós todos os dias”, comentou. Por isso, gostaria que a Junta voltasse a fazer um passeio deste género.

P.A.

Se achou este artigo interessante, adicione-o aos seus "Social bookmarks"

Deixe-nos a sua opinião




Artigos relacionados:

Breves
Atrasos nos CTT

Enviar artigo [...]


Assinantes
Actuais
Crónicas

José do Carmo Francisco
«Alguns andamentos essenciais» de Hugo Beja

João Reboredo
Antes de comer a bordo

Ana Marques
A medicina ao alcance de todos

Reboleira Alexandre
A crónica 100

Luisa Schmidt
Caldas da ruína

Silvia Abreu Sónia Sousa
O poder do Amor

 
 
 

2010 Gazeta das Caldas | Desenvolvido por Janela Digital