Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro foi construída há 50 anos

0
880

DSC_0013A Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro está a comemorar os 50 anos das actuais instalações durante este ano lectivo. A 7 de Outubro de 1964 tiveram início as primeiras aulas no edifício situado na Rua Dr. Leonel Sotto Mayor, transferidas do edifício onde hoje funciona a administração do CHO, junto ao Chafariz das 5 Bicas. Na passada terça-feira, a data foi assinalada com o lançamento das comemorações junto dos alunos, de que fizeram parte uma coreografia, um documentário e uma sessão musical.
No próximo dia 24 de Outubro será publicado um suplemento sobre a escola na Gazeta das Caldas, o único jornal local que existia na época e que fez a reportagem da inauguração. Na segunda-feira seguinte, 27 de Outubro, será feita uma homenagem simbólica a antigos professores, funcionários e alunos, no auditório da escola, pelas 20h30.  A comunidade está convidada a participar nesta iniciativa.
Paralelamente, estará patente uma exposição de objectos feitos nas oficinas de electricidade e mecânica, bem como uma mostra de cerâmica e bordados.
Ao longo do ano serão feitos concursos, exposições e colóquios. Será ainda criado um livro, intitulado “Como eu faço parte desta história”, com testemunhos e fotografia de professores, alunos e funcionários, antigos e actuais.
A pensar nos alunos actuais será lançado um concurso de ideias para a criação de uma placa cerâmica alusiva aos 50 anos da escola, cujo resultado será apresentado em Abril. O curso de Audiovisual foi também desafiado a fazer um documentário sobre a escola, com documentação antiga e actual.
Em Abril, a escola será também aberta à comunidade, com a realização de uma grande festa, animada por talentos daquele estabelecimento de ensino.
A organização destas comemorações está a cargo de uma comissão, composta pelos professores Élia Parreira, Carlos Marques e Manuel Nunes, juntamente com a directora do agrupamento, Maria do Céu Santos. Para a recolha de documentação estão a trabalhar muito de perto com os grupos de antigos alunos.
Maria do Céu Santos diz que não se podia deixar passar em branco esta data porque a Bordalo Pinheiro “foi a primeira grande escola do concelho e da região e um marco muito importante para a educação”. A sua história confunde-se com a da própria cidade e os seus ex-alunos vêem-na com “muita ternura e saudosismo”. Uma prova disso mesmo é a Confraria dos Antigos Alunos da escola que, anualmente, junta pessoas vindas dos quatro cantos do mundo, que fazem a viagem propositadamente para estar nesse evento.
A directora disse ainda que não querem esquecer o passado e a matriz da escola, que era industrial e comercial. Na sua génese estavam os cursos profissionais, que agora estão de novo a renascer, depois de anos de uniformização dos cursos.
A responsável acrescentou ainda que, se no “final deste ano de comemorações, conseguirmos que os alunos tenham mais orgulho em dizer que são da Bordalo Pinheiro acho que este esforço valeu a pena”, disse Maria do Céu Santos, que pretende ver criado um espírito de pertença e orgulho na escola.

NOVAS “NOVAS OPORTUNIDADES”

No passado dia 30 de Setembro foi inaugurado o Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP), uma estrutura do Sistema Nacional de Qualificações que substitui os antigos Centros Novas Oportunidades (CNOs).
O CQEP da Escola Bordalo Pinheiro tem neste momento três turmas a funcionar, todas de formação escolar, com cerca de 90 formandos.
Esta estrutura destina-se a todos os que procuram uma qualificação para depois prosseguirem estudos ou para ingressarem no mercado de trabalho. Estão igualmente vocacionados para dar resposta aos cidadãos com  deficiência e incapacidade, com o intuito de assegurar a sua integração na vida activa e profissional.
Os CQEP trabalham em rede e em parceria com empregadores, entidades formadoras, rede social e solidária, municípios, associações e serviços e organismos da administração pública. A sua actuação desenvolve-se de modo a potenciar as sinergias existentes no terreno, com mecanismos e respostas de qualidade, numa lógica de gestão eficaz e eficiente de meios.

Fátima Ferreira
[email protected]